quarta-feira, 17 de março de 2010

Sobre a arte de assassinar pensamentos...

- Mais, mais, isso não Basta!
- Mas, isso é tudo – pensava o aprendiz – não há mais, mas...
- Mas nada! É preciso mais!
- Mas é que...
- Você e seus “mas”, dizia-lhe com desprezo o seu mestre.
- Mas, mais não dá
- Então que seja menos do que queres, mas que ao menos seja mais do mesmo...
- Ficamos assim?
- Sim!
- Mas, mais do mesmo é mais?
- É mais!
- Obrigado pelos valorosos ensinamentos.
- Disponha.
- Nos vemos amanhã?
- Sim, amanhã.

E o jovem aprendiz retoma o caminho de casa. Entristecido caminha pelo dia nublado. Pensa em como escrever mais do mesmo, mas não sabe como.

- Não deve ser difícil – pensa –, mas...

3 comentários:

  1. (- Então que seja menos do que queres, mas que ao menos seja mais do mesmo...)

    Como é difícil fazer história quando vivemos em várias versões da mesma...

    ResponderExcluir
  2. A história é uma só... Que os humanos não a saibam reproduzir no plano ideal são outros quinhentos...

    ResponderExcluir
  3. E que quinhentos, hein?

    É verdade!

    A história é uma só... tanto aqui quanto lá.

    ResponderExcluir