terça-feira, 9 de novembro de 2010

A coisa

Ontem, pude sentir ferver aquelas coisas que por dentro se degladiavam
Ontem, quase tive a minha primeira crise
E então, controlei-me,
Mesmo apesar de todo o sufoco

O gatilho veio de fora,
Mas a bala que pode me acertar
Está aqui dentro,
Devo guardá-la dos inimigos

É hora de mudar a forma
Antes que toda forma se exploda,
A casca chegou ao limite do conteúdo
Ou rompe ou implode

Algo se está montando
Não posso revertê-lo
Apenas adiá-lo,
Apenas enganar a coisa

Ou a coisa me deforma
Ou pior, a coisa me reforma
É bom tratar bem...
Porque essa coisa - vez ou outra - transforma

Nenhum comentário:

Postar um comentário