sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Fragmentos de "Os sofrimentos do jovem Werther" (Goethe)

* Para aquela que um dia me amou

"Às vezes não consigo compreender como outro pode amá-la, ousa amá-la, uma vez que eu a amo tão unicamente, tão profundamente, tão perfeitamente; uma vez que nada conheço, nada sei e nada tenho, além dela.

[...]

Ah! Esse vazio! Esse vazio terrível que sinto em meu coração! Penso muitas vezes: 'Se eu pudesse uma vez, uma só vez, apertá-la de encontro ao meu peito, todo esse vazio seria preenchido.

[...]

Ao constatar quão pouco significamos uns para os outros, tenho vontade de rasgar o peito e arrebentar a cabeça. Ah! Ninguém poderia me dar o amor, a alegria, o ardor e o prazer que me faltam, nem poderia fazer feliz quem, diante de mim, mostra-se sem ânimo, sem forças.

[...]

Tenho tantas coisas em mim, mas meu sentimento por ela absorve tudo: tantas coisas que, para mim, sem ela, tudo significa nada.

[...]

Faz parte do destino humano cada um de nós carregar sua cruz e beber até o fel de seu cálicee até a última gota. Se mesmo o Filho de Deus considerou o cálice demasiadamente amargo para Seus lábios humanos, por que devo fingir, considerando-o agradável? E por que deveria envergonhar-me, no terrível momento em que todo o meu ser oscila entre a vida e a morte, quando o passado surge como um relâmpago alumiando o abismo sombrio do futuro, e tudo desmorona em torno de mim, e o mundo inteiro parece se extinguir?"

Um comentário: