terça-feira, 31 de maio de 2011

Sobre a arte de abrir-se (e fechar-se)

- As relações são, sempre, relações em aberto
Ela falava com os braços e mãos abertos e voltados para o imenso céu azul
- Mas, abertas como?
Ele perguntava, inseguro como os diabos
- Não disse abertas, meu amor, eu disse "em aberto"
- E isso muda as coisas?
E ela, sem dizer uma palavra, girou, mas não em círculos; se voasse, seria uma borboleta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário