segunda-feira, 11 de junho de 2012

Dois rios



 Caminho sobre a ponte que atravessa o rio.
 Há pouco chovia,
 agora, apenas o frio e o céu cinzento testemunham as águas caídas

 O rio sujo está muito mais sujo.
 Paro como Adriano Meis em frente ao Tibre, 
 mas não tenho bengala, nem chapéu, nem penso em saltar

 Simplesmente, tomo uma foto, duas...
 Sinto como se fossemos inimigos íntimos, pois ele se cala,
 como eu me calei por todo o dia (enquanto um rio me atravessava)

 Rio imundo!
 Não fosse tão sujo, inimigo meu,
 as pessoas te pronunciariam vagarosa e francesamente: ti-ê-tê!

Um comentário: